É finita a Copa do Mundo

Seleção alemã comemora o terceiro lugar na África do Sul

Acabou. Acabou. A seleção que tinha minha torcida não conquistou a taça e o Klose não conseguiu bater o recorde de Ronaldo. Chato isso viu?! Torci demais pro Klose, mas não deu. As dores nas costas não deixaram o alemão nem tentar o recorde. Infelizmente ele se despede das Copas sem ter conseguido esse triunfo e sem ter sido campeão mundial. Falo isso porque Miro tem 32 anos, ou seja, terá 36 na Copa de 2014 aqui no Brasil e acho muito difícil que ele dispute mais um Mundial. Mas parabéns a ele, afinal não é qualquer um que faz 14 gols em Copas do Mundo e também não é qualquer seleção que fica entre as quatro primeiras por tantos anos consecutivos.

Klose, com dores nas costas, ficou no banco de reservas no jogo contra o Uruguai

E chega de Copa e chega de futebol. Esse tema dominou o Abelha Fístula por um mês, mas agora acabou. Foi bom enquanto durou. Escrevia quase todos os dias e meu blog, que tinha uma média de 50 visitas por dia, chegou a uma média de mil visualizações por dia. Cheguei a ter 2,456 visitas num só dia, mas agora acabou. Voltarei ao ritmo normal e provavelmente aos números comuns, mas ok. Foi bom enquanto durou e agora é só esperar 2014 que dizem que está logo ali.

A Copa perdeu a graça

Mertesacker e Schweinsteiger lamentam a eliminação alemã na semifinal da Copa

Não adiantou ser uma das principais seleções da Copa e um dos melhores times já formados pela Alemanha de todos os tempos. Não adiantou ter um time equilibrado, um goleiro que se destacou, um meio-campo jovem e dinâmico, o melhor lateral do momento e um ataque matador. Nada disso serviu pra levar a Alemanha à final da Copa da África.

A forte zaga não serviu pra evitar o gol de cabeça do baixinho Puyol. O peso da camisa não serviu pra empatar o jogo e levar pra prorrogação. Enfim, ser um dos melhores não basta. Os germânicos, um dos melhores, perderam para a Espanha, uma das melhores seleções do mundo. Não basta ser um dos, é preciso ser a melhor. E infelizmente, para mim, a Alemanha não foi a melhor da Copa. Agora é esperar mais quatro anos e assistir a mais uma final sem graça e sem sal, afinal sempre é meio chato ver um jogo em que você não torce pra nenhum dos dois times.

Mas de qualquer forma ficarei ao lado da Holanda, pois jamais vou torcer para um time que eliminou minha querida Alemanha. Mas… antes de começar o Mundial eu dei a minha opinião sobre quem ganharia a Copa e meu palpite foi o seguinte: Brasil, Inglaterra ou Espanha. Vou gostar se a Laranja Mecânica vencer, afinal ela já bateu na trave duas vezes, mas se a Fúria ficar com o título provará que alguma coisa eu entendo desse esporte.

Klose Klose Klose

Klose dá sua famosa cambalhota para comemorar seu segundo gol contra os hermanos

Três vezes Klose. Esse é o número que falta para o atacante alemão bater o recorde de Ronaldo e se tornar o maior artilheiro da história das Copas. Mas pergunta se ele tá preocupado com isso. Não. Essa é a resposta. O camisa 11 disse, após a goleada sobre a Argentina, que seu principal objetivo era levar a Alemanha à semifinal. Diferente do brasileiro, que em 2006 parecia só pensar no tal recorde enquanto caminhava em campo pela seleção canarinho.

O atacante de três gols na temporada 2009/2010 derrotou o melhor do mundo

Esse é o jeito Miroslav Klose de ser e de jogar. Ele geralmente fica apagado durante os jogos e sempre aparece um comentarista dizendo que ele não faz nada ou que ele não é tão bom como pensam. Ou seja, Klose age como um mineiro, come quieto e vai pelas beiradas. Ele decidiu a parada em 2006 em favor dos germânicos e fez isso de novo hoje. O time de Klose derrotou a Argentina do craque Messi e do ídolo Maradora e fez o que muitos não acreditavam, chegou ao seu quarto gol nesse Mundial da África e é um dos vice-artilheiros da competição.

O atacante chegou desacreditado à Copa porque não fez uma boa temporada no Bayern de Munique, quer dizer, ele quase não jogou esse ano. Klose ficou boa parte da última temporada no banco de reservas e só marcou três gols no Campeonato Alemão. Chegou a se pensar que ele também ficaria no banco alemão e que Cacau entraria em seu lugar, mas Joaquim Löw não dispensou o artilheiro da Copa da Alemanha em 2006. O treinador apostou suas fichas na experiência de Miro e se deu muito bem.

Os alemães mostraram, até aqui, o futebol mais dinâmico, equilibrado e interessante desta Copa. A juventude dessa seleção aliada à experiência de Klose e à sua vontade de trabalhar em equipe formam uma poderosa arma que pode, eu espero, desmontar a Fúria espanhola.