Balanço final de Dexter: Do luxo ao lixo em oito anos

Dexter

E aí, fãs?! Estão tristes/decepcionados/chateados e sem vontade de cantar uma bela canção após o fim de Dexter? Pois é, tudo de ruim que vocês estão sentindo agora eu passei no 2º episódio da 7ª temporada. Naquela ocasião escrevi um texto (https://abelhafistula.wordpress.com/2012/10/08/eu-esperei-por-isso-serio-dexter/) explicando todos os motivos da minha decepção com o fatídico “Sunshine and Frosty Swirl”, e apontei que dali em diante seria impossível vir qualquer coisa boa da série. Na época fui muito, MAS MUITO xingada neste adorável espaço que é o Dexter Brasil. Os fãs (a maioria formada por quem não sabe argumentar e leva tudo a ferro e fogo) me ofenderam de diversas maneiras, usando como escora o fato de eu não poder dizer que uma série tinha acabado quando ainda faltavam 22 episódios para a series finale. Pois bem, você que continuou acreditando, a série foi boa de lá pra cá? Gostou do final?

Lixo ou porcaria? Triste ou estranho? Decepcionante ou esperado? É difícil dizer o que foi esse final, mas era impossível Dexter acabar de uma maneira satisfatória. O problema não foi o episódio/temporada final. O problema são as últimas quatro temporadas. Dexter levou um tombo feio no 5º ano e não se levantou mais. Teve um fôlego bom no início do 6º e se perdeu com a morte de brother Sam (um dos melhores personagens convidados) e com o insosso Tom Hanks Jr. A 7ª temporada foi um lixo fenomenal (ou alguém se esqueceu do plot super esperado de Louis que se evaporou como água, ou do mafioso que decidiu se vingar SOZINHO?) que apenas teve sequência em 2013. Dexter deixou de ser um homem inteligente para se tornar um adolescente apaixonado que faria um Facebook de casal (ótima sacada, Carla Gomes). A série de um serial killer terminou com um lenhador. Ótima piada para explicar esses oito anos.

Mas de qualquer maneira, é bom lembrar que é impossível agradar a gregos e troianos. Até uma série que permanece sempre ótima pode ter um fim decepcionante. Eu, por exemplo, só vi um final perfeito de série dramática até hoje: Six Feet Under.

O final

As ideias do final não foram ruins. Gostei de Dexter isolado. Antes isso do que em lua-de-mel na Argentina. Gostei de Debra morta, pois nunca imaginei outro fim pra ela. Mas a morte da segunda personagem mais importante da história (e minha favorita) precisava ter sido desencadeada por um personagem que surgiu aos 48 do segundo tempo? Quem é Saxon na fila do pão? NINGUÉM. Até o fraco esfolador será mais lembrado pelos fãs do que o homem de uma expressão só que é Saxon.

O filho de Vogel, assim como a própria Vogel, surgiu do vento. Vogel de repente se tornou mais importante que Harry. E não me venham falar que ela criou o código, porque tenho certeza que a possibilidade de uma psicanalista aparecer no meio da história nunca foi a intenção de quem deu base à série. Mas se alguém ainda compra essa ideia, ok. Mas comprar o Saxon, que foi inserido do nada, depois de dois minutos de conversa entre Dexter e Vogel é demais.

Dexter e Debra hospital

Eu me esforcei muito para esquecer todas as falhas da série (I tried just let go). Tentei apagar as últimas quatro temporadas e ver esse final como se fosse o capítulo seguinte à morte de Rita. Mas é claro que não deu. Porém achei até legalzinho Dexter matar a irmã. Afinal, quem não se lembra da 3ª temporada, quando Dexter dá a torta perfeita que livraria Camila (tia do arquivo, amiga do Harry, pessoa que conhecia a história de Dex) do sofrimento do câncer? Naquele episódio Deb diz ao irmão que gostaria de ser morta se fosse pra ficar numa cama. Partindo disso, e de várias outras coisas, o final teve sim um sentido.

Debra morreu por causa de Dexter, era óbvio que seria assim. Ela sempre sofreu por ele, foi subjugada por ele, ignorada por ele, nada mais coerente do que morrer por culpa dele. E também foi bom vê-lo tendo que cometer o assassinato mais difícil da vida. A irmã, que foi sua vítima durante toda a vida, foi a última a preencher sua kill room. Teve certa poesia.

Mas por que jogar a irmã no mar, no mesmo lugar onde ele jogava suas vítimas frias, vis, assassinas e cruéis? Ele jogou a pessoa que mais o amou no buraco negro onde ele se livrava da escória do mundo. Isso não teve poesia. Foi apenas pra fechar com chave de ouro com todo o desrespeito que a ótima, e antes forte, personagem Deb sofreu nas mãos dos preguiçosos roteiristas.

Também não curti Harrison ser criado por Hannah. Pobre Rita, ter seu filho criado por uma assassina. Hannah sempre usou sua loirice e beleza para viver às custas de algum homem, que depois era morto por ela. O que a impede de fazer o mesmo na Argentina? Dexter se afastou do filho para ele não sofrer com seu dark passenger, mas o entregou a uma outra assassina. Cadê critério? Era melhor ter deixado o menino com Astor e Cody.

Deb morreu por causa do vilão mais ridículo/fraco da série

Deb morreu por causa do vilão mais ridículo/fraco da série

Referências

Para tentar salvar o final, esta temporada usou muitos recursos que há muito não eram explorados. Como a trilha sonora de Daniel Licht, que havia sido esquecida nos últimos anos, e os ângulos de câmera usados no primeiro ano. Também houve referências claras, como o caminhão de gelo do último episódio, o tiro na barriga de Deb (mesmo ponto atingido pela filha de Trinity), a mesma posição dos irmãos no quarto do hospital (4ª temporada), e Saxon falando a frase inicial do show: “Miami is a great town. I love the cuban food. Pork sandwiches, my favorite…”. Tudo isso teria sido lindo, poético e explodido nossa cabeça se a série ainda pudesse ser levada a sério. Mas como isso não é o caso, foram apenas tentativas forçadas de criar empatia.

Alguns furos

Durante toda a série li reviews por aqui e em outros sites e sempre dei minha opinião, inclusive em meus textos (muitos publicados aqui). Sempre falei o que estava achando e critiquei vários pontos da trama. Mas muitos me rebatiam dizendo que eu estava me apressando, e que depois tudo aquilo iria fazer sentido. Bom… ainda não fez sentido. Ou melhor, fez sentido sim. Todas as falhas eram de fato falhas, e não plots que estavam aguardando seu desfecho. Muitas histórias e personagens foram criados e geraram muita expectativa, mas depois eram apenas retirados da trama sem qualquer explicação.

Debra e Quinn

Uma de minhas reclamações é o fim do namoro entre Deb e Quinn. Entendo que muita gente não goste do policial, mas eu sempre comprei o casal. Não acho Quinn tão horrível assim, pelo contrário, gosto do jeito sem graça e até de sua feiúra. Pois uma coisa que me incomoda são séries americanas onde TODOS os personagens são lindos e maravilhosos. Isso é o ponto positivo em Dexter, gente feia. Mas enfim… Deb terminou com Quinn apenas para, lá na frente, inserirem o plot da paixão por Dexter. Em nenhum momento pensaram em como o relacionamento foi iniciado e qual o sentido que ele faria pra trama. Apenas jogaram Quinn para escanteio, que dali em diante não teve mais função alguma na série.

Em relação ao plot amor romântico entre Dexter e Debra, confesso que não fiquei tão chocada como todos. Acho sim que poderia nascer um casal dali, mas não da maneira como foi feito. A questão não são os plots, a questão é que eles são mal criados e desenvolvidos. Se a série desse pistas de uma possível tensão sexual entre eles desde a 1ª temporada, e Deb tivesse despertado para isso por si própria (e não por inception da psicóloga), até que rolaria.

O triste deste plot, que teve início com a recusa de Deb em se casar com Quinn, foi que os roteiristas não confiaram na sólida e ótima base da série. O amor fraternal de Deb por seu irmão já era suficiente para ela aceitar Dexter assassino. Ela já amava o irmão o bastante para não entregá-lo a polícia. Não havia a menor necessidade do plot romântico.

Personagens desnecessários

Louis, Isaak, Jaime, Saxon, Neurocirurgião, Detetive Miller, Elway, Mike Anderson, Nadia, Liddy, Cassie, Zach e por aí vai. O problema não são os atores ou até mesmo o plot inserido para cada personagem, o problema é que todos foram mal desenvolvidos. Miller ganhou a promoção de Quinn e desapareceu. Zach, outro pupilo, pra quê? Nadia namorando Quinn, qual o sentido? Liddy teve uma morte estúpida. Mike não disse a que veio. Louis não preciso nem falar. Mas preciso reconhecer Isaak, afinal só a beleza estonteante de Ray Stevenson com aqueles ternos feito sob medida para fazer com que eu assistisse à horrível 7ª temporada.

elway

O problema é que não foram apenas os personagens convidados que não tiveram importância na série, os coadjuvantes também perderam espaço. Dexter sempre foi uma série de dois personagens, Michael C Hall e Jennifer Carpenter carregaram oito anos nas costas (com algumas ajudas como Rita, ITK e Trinity). Foi triste ver as piadas de Masuka perderem a graça, ver Batista sem rumo, ver Quinn sem motivo pra existir, ver LaGuerta patinando num relacionamento sem pé nem cabeça com Batista, e por aí vai.

Dexter apaixonado

Agora vamos falar de sentimentos. E pra isso preciso definir uma coisa: Dexter não é psicopata, ele apenas tem características de um psicopata. Digo isso porque é impossível para uma série de TV, em 96 episódios, manter um personagem puramente psicopata. Vimos que Dexter tem sentimentos, ele amou a irmã, o filho e as namoradinhas, isso e outros detalhes jogam por terra sua psicopatia. É impossível para um show que visa entreter, divertir e emocionar o público manter um personagem preso aos sintomas do transtorno. Dexter precisava ser maleável, modificado ao bel prazer de seus produtores, para assim criar empatia com o público.

Essa cena foi constragedora

Essa cena foi constragedora

O fato dele ter sentimentos era ótimo pra série, pois tornava tudo ainda mais complicado, mais cinza. Mas o amor desmedido e sem nexo por Lumen foi ridículo. E a paixonite adolescente por Hannah também. Foi um desrespeito com os fãs Dexter acabar de enterrar a esposa (que morreu por sua causa) e dois minutos depois cair de amores pela sem sal Lumen. Depois da morte de Rita esperava que a série fosse fundo no lado dark e que as coisas ficassem mais eletrizantes, assustadoras e perigosas. Mas depois que Rita se foi, Dexter se transformou numa novela mexicana, com um homem que ama a primeira loira que passa pela sua frente. Quem diria que Rita, considerada por muitos como chata e uma pedra no sapato, seria o divisor de águas entre o luxo e lixo de Dexter?…

Enfim acabou

Sempre pensei que iria sofrer com o final de Dexter, imaginei que seria difícil me desapegar da série. Mas a tristeza veio por um motivo diferente, veio pelo declínio gigantesco que a série sofreu.

Nos primeiros ano eu fiz milhares de teorias sobre o que poderia acontecer, sofria de antemão pela relação Deb/Dex após a tão esperada descoberta e tentava conjecturar o que viria pela frente. Fiz tudo isso porque, até a 4ª temporada, tudo era bem estruturado. As histórias tinham início, meio e fim. E tudo isso era muito bem ligado e embasado.

Mas a partir do 5º ano parece que jogaram todo o resto no lixo e partiram do zero. Acabou o homem frio e inteligente para dar lugar a um cara que acredita de todo o seu coração na primeira pessoa com cara de vítima que aparece na sua frente. Acabou a policial forte, honesta e boca suja para dar lugar a uma mulher que se deixa subjugar por um irmão egoísta e manipulador.

Oi, meu nome é Dexter Morgan. Eu sou um lenhador.

Oi, meu nome é Dexter Morgan. Eu sou um lenhador.

Sim, fiquei triste com o fim de Dexter, mas por um motivo diferente. O fim da série pra mim foi no último ano. E olha que ainda fui idiota o suficiente para achar que a 6ª temporada seria ótima. Agora, depois de ver tanta história sem pé nem cabeça, sinto apenas alívio por ter me livrado da obrigação de ter que ver como essa história ia terminar.

Séries são produtos da mídia que visam lucro, é isso. Mas é uma pena ver como Dexter abriu mão da arte, da coerência, do belo em se contar uma história bem amarrada para se render apenas aos números da audiência. Falem bem ou falem mal, mas falem de mim. Foi isso que a série se tornou. Dexter foi destruída pela ganância de seus produtores. Mas vamos sorrir gente, não vamos morrer por causa disso e nem criar brigas desnecessárias. Afinal, it’s just entertainment, baby!

*Dexter chorou mais a morte de Vogel (pessoa que ele conhecia há três semanas) do que a perda da irmã

*Elway não tem bunda

*Por que alguém acreditaria que Dex foi passear de barco em meio a uma tempestade?

*E ninguém quer saber onde está Harrison?

*O blábláblá da Argentina era tão falado, o FBI viu a pesquisa no laptop de Dexter sobre América do Sul, mas ninguém vai dar uma visitada no lado de baixo do globo para procurar Hannah?

*Jennifer Carpenter deve te dados pulos de alegria com a morte de Deb, pois assim ela se livrou de um possível spin-off.

Anúncios