Pra não dizer que não falei das flores, ou dos canudos…

diploma

Pronto, já sou jornalista. Nem preciso terminar o curso, passar pelo trabalho de um TCC, continuar assitindo as aulas, pagar um valor absurdo para a disciplina de estágio supervisionado (estágio esse que quem irá conseguir sou eu, e não a faculdade que será paga para isso). Agora não é mais necessário ter um canudo para exercer a profissão de jornalista, e como já fiz algumas matérias e posso assinar qualquer delas como jornalista (afinal, agora até o nosso prezado Zé das Couves pode fazer o mesmo) já me considero uma.

A decisão do STF veio para tirar o crédito que ainda restava na classe. Concordo que para ser um bom jornalista não é preciso, necessariamente, de ter uma formação acadêmica. Temos vários exemplos disso, pessoas que sabem muito da sua área de atuação e escrevem muito bem sobre ela; caras como Arnaldo Jabor e muitas outras pessoas que estão há anos na profissão e sabem mais dela do que muitos recém-formados, que saem das faculdades  sabendo apenas como organizar uma boa calourada.

Quem já está na área pode não precisar do diploma de jornalista. Mas as pessoas que estão começando? É só gostar de escrever e entrar num jornal? É só ter um pai influente? É só ter uma rede de amigos poderosa? Esse é o meu medo, aumentar a frequência em que famoso Q.I. é usado. E não apenas isso, os futuros jornalistas (ou presentes, afinal agora pra escrever e assinar é só começar…)   serão capacitados pra exercer a profissão. Acredito que 90% dos bons profissionais de hoje ganharam esse crédito com o que aprenderam no trabalho, e não em sala de aula. Mas eu penso que o curso serve, no mínimo, como um primeiro critério de seleção, um pontapé inicial, a porta de entrada pra conseguir algo nesse mercado disputadíssimo.

E os cursos de jornalismo? Qual será o futuro deles? Pra mim, ou eles acabam de vez ou melhoram absurdamente. Afinal, se não é mais necessário o diploma pra quê gastar um bando de dinheiro num curso? Se alguém ainda quiser estudar jornalismo, teorias da comunicação, técnicas de reportagem etc. vai querer fazer isso numa faculdade de verdade, que ensine de verdade e não em muitos cursos ridículos que existem por aí.

Ainda tem muitas pessoas se manifestando contra isso e tentando mudar essa decisão. Mas se essa nova “lei” permanecer… o jeito é conviver com ela. E torcer para que os estudantes que estejam saindo de uma faculdade, tipo eu, consigam uma chance no mercado, sejam avaliados pelo seu valor, pelo seu talento e não por fatores externos a isso. O jeito é torcer pra que isso aconteça, vamo lá, vida que segue. Afinal, faltando apenas um ano pra se formar, não compensa largar tudo pra trás.