15 anos sem Cássia Eller

Era 29 de dezembro de 2001. Eu tinha 13 anos. Numa tarde ensolarada e quente de mais um sábado de verão fui para o quarto da minha mãe assistir a um filme exibido na antiga Sessão de Sábado da Globo. O quarto é o último da casa e, portanto, o mais fresco, e por isso me serviu de refúgio.

Há alguns anos eu tinha certeza de que o filme era Um Herói de Brinquedo, mas hoje, 15 anos depois, minha memória daquele dia começa a falhar. Então não sei mais se o filme era esse do Schwarzenegger ou Debi & Lóide. Mas não importa, o fato é que minha diversão foi interrompida com mais um plantão da Globo, que se hoje é assustador, imagina há 15 anos…

Fátima Bernardes invadiu minha TV de 14 polegadas para dar uma notícia horrível: a morte de Cássia Eller. Aí vem outro problema de memória. Antes achava que o plantão tinha entrado no meio do filme com o anúncio da morte, agora – vendo notícias da época que informaram que a morte aconteceu por volta das 19h – não tenho mais certeza. Os filmes terminam às 18h para a entrada da novela, então não faria sentido a notícia da morte ter sido dada no meio do filme.

Memórias, horários e programação não importam. O fato é que aquele plantão foi um dos piores para mim. Fui tomada de surpresa com a notícia e entrei num universo paralelo. Fátima só podia estar mentindo, aquilo não estava acontecendo, como uma mulher que estava todos os dias cantando num programa de TV diferente estava morta? Como alguém com tanto vigor no palco e tão jovem tinha acabado de morrer?

cassiablog-001

Foi difícil e doloroso aceitar a morte de alguém que estava finalmente alcançando o sucesso que seu talento extraordinário sempre mereceu. Uma das primeiras músicas que me recordo de ouvir na minha vida foi Malandragem, na voz de Cássia. Quando era criança não fazia ideia de quem estava cantando e nem me importava. Eu era uma criança e não entendia o universo musical, artistas, compositores…. Não conseguia associar uma música a uma pessoa.

Com o passar do tempo meu entendimento sonoro foi se aprimorando e o nome dos artistas passaram a fazer parte da minha vida. E Malandragem seguia sempre tocando nas rádios, em alguma festa, em algum lugar… A música é uma das minhas favoritas da vida porque me remete a um tempo que não volta mais: aquela primeira memória musical, aquela pureza de ouvir algo e, mesmo sem entender, gostar absurdamente.

Malandragem fez parte de mim e tempos depois conheci sua intérprete mais famosa. Confesso que o conhecimento maior sobre a cantora veio na sua fase de mais sucesso, aquela mesma que precedeu sua morte: o início dos anos 2000. Esse início de novo milênio fez uma pequena revolução musical com os acústicos da MTV, projeto do canal de TV que trazia artistas veteranos para tocar suas músicas numa roupagem diferente.

Os acústicos MTV resgataram bandas como Ira! e Capital Inicial, além de fazer a justiça de apresentar Cássia Eller a uma nova geração. E eu fazia parte dessa geração, embora conhecesse parte do trabalho da cantora. O “Acústico MTV Cássia Eller” me fez adorar suas músicas, sua postura e me fez correr atrás de mais informações. Numa época em que eu não tinha internet, o conhecimento expandido de Cássia veio principalmente de programas da TV Brasil, como “Bem Brasil” e “Ensaio com Cássia Eller”, além de alguns shows regados apenas à voz e violão.

cassia

No ano 2000 Cássia começou a voltar para o mainstream com uma música na trilha sonora da novela Laços de Família, grande sucesso da Globo. A canção era Gatas Extraordinárias de Caetano Veloso. O estouro, o maior de sua carreira, chegou no início de 2001 com uma participação inesquecível no Rock in Rio e com o lançamento do CD/DVD acústico.

Sou fã de Beatles e Smell Like the Spirit é uma das raras músicas do Nirvana que gosto, e afirmo sem pudor que as interpretações de Cássia desta canção e de Sgt Pepper’s Lonely Hearts Club Band dos Fab Four são melhores que o original. Cássia nunca foi compositora, mas conseguia tomar para si qualquer canção. Rock, blues, MPB, samba… era só jogar na mão dela que a música se tornava outra. Se tornava uma música de Cássia Eller.

A voz poderosa, o estilo rock and roll no palco, a versatilidade de cantar bem qualquer música, o desprendimento de (no auge do sucesso) fazer shows em botecos e a coragem de se embrenhar por qualquer estilo musical fazem muita falta para música brasileira e me faz sentir muita falta de Cássia Eller.

O que ela estaria fazendo se estivesse aqui? Qual gênero musical estaria cantando? Quantas barreiras estaria quebrando? Qual seria seu posicionamento num mundo tão louco e cheio de ódio que a gente vive hoje? É uma pena que Cássia tenha nos deixado tão cedo. Ela merecia viver mais, produzir mais e ser mais reconhecida pela artista que era. E nós merecíamos viver na mesma época que uma artista do tamanho de Cássia Eller.

Se você não conhece nada de Cássia Eller ou conhece apenas suas canções, eu te peço: assista ao documentário “Cássia” de Paulo Henrique Fontenelle. Uma das produções de maior qualidade e sensibilidade do cinema nacional. O diretor contou para o Brasil quem era Cássia Eller, mostrou lados que apenas quem era muito fã (me incluo nessa lista) conhecia. Acho que nem se eu quisesse teria contato tão bem a vida de Cássia como fez Fontenelle.

*Ah… e é claro que escrevi esse texto ouvindo Cássia Eller. Ouçam também, tá aí embaixo!

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s